Halving do Bitcoin em 2020: entenda esta mudança

0
392
Imagem ilustrativa da criptomoeda Bitcoin
- Anúncios -

Desde já, é certo afirmar que o Bitcoin é a criptomoeda mais conhecida. Definitivamente, acredito que, pelo menos alguma vez, você já ouviu alguém falar ou leu em alguma notícia sobre.

Entretanto, para explicar quais serão suas mudanças no ano de 2020 é preciso falar um pouco sobre alguns conceitos dessa criptomoeda e entender melhor o porque acontecerá essa mudança.

CRIPTOMOEDAS

Em suma, moedas são meios pelos quais são efetuadas transações monetárias.

De um lado, temos as moedas “físicas”: as moedas metálicas e as cédulas de dinheiro, que usamos recorrentemente. Não somente, também utilizamos abundantemente a moeda plástica, mais conhecida como os cartões de crédito.

Isso, pois, do outro lado, temos as moedas “digitais”, que nada mais são do que códigos estruturados para simbolizar uma moeda.

Simplificando, as criptomoedas são códigos criptografados que são utilizados como se fossem dinheiro.

O Bitcoin

O Bitcoin, cuja nomenclatura monetária é BTC, é um dinheiro eletrônico criado para ser utilizado em transações digitais e sem a necessidade de permissão de uma autoridade central.

Seu código foi criado em 2008 por um pseudônimo chamado Satoshi Nakamoto e, desde sua criação, o seu principal propósito é de ser uma moeda independente e descentralizada. Assim, não há uma autoridade central que a controla.

Em outras palavras, essa moeda não é “emitida” por nenhuma autoridade responsável.

Então, de onde vem o Bitcoin?

O Bitcoin vem de um enorme código de programação em que computadores super potentes decodificam blocos desse código central e os transformam nos códigos que formam a moeda.

É um pouco confuso mesmo! Então, vamos usar uma analogia:

Vamos pensar em uma enorme mina de ouro. Para conseguir extrair o ouro é preciso ir tirando grandes blocos de pedras e ir quebrando em menores até encontrar e separar o ouro. Com essa analogia fica mais fácil de entender o processo de mineração do Bitcoin.

Mineração do Bitcoin: o Blockchain

Dessa forma, os Bitcoins são conseguidos por meio da sua mineração, que acontece de forma automatizada e realizada por computadores muito potentes.

Pensando na mesma analogia, vamos dizer que a mina em que os BTC são extraídos é uma rede de blocos de dados cheios de códigos gerados por computadores a cada transação realizada com a moeda.

Essa rede é denominada de Blockchain.

Com efeito, é como se fosse uma enorme planilha de blocos em que os códigos das transações são registrados descentralizadamente. De tal forma que é mais ou menos igual ao ouro e outros minérios espalhados pelo solo.

No Blockchain cada informação é registrada até preencher um bloco. Depois passa-se a um bloco diferente. Isso vai formando uma cadeia de blocos. Por isso o nome, que quer dizer “corrente de blocos” em português. Vale ressaltar que as informações podem somente ser registradas, porém não podem ser apagadas.

Assim, todas as informações são registradas permanentemente no blockchain, que acaba se tornando um “livro caixa” permanente.

Quando um bloco é totalmente preenchido, sendo necessário abrir um novo bloco, uma quantidade de Bitcoins é minerada. Ou seja: extraída do solo que é a internet. E essas moedas extraídas à partir do preenchimento total de um bloco, são divididas entre todos os computadores que trabalharam para isso ao redor do globo.

E se tudo que é registrado não pode ser apagado…

Chegará um momento em que não haverá mais espaço no Blockchain e, consequentemente, não haverá mais moedas para serem mineradas. Mais ou menos da mesma forma que o ouro de uma mina simplesmente acaba.

Ou seja, assim como esse minério, o Bitcoin é um recurso finito.

O HALVING

Desde sua criação, em 2008, os Bitcoins foram criptografados para existirem em 21 milhões de unidades. Assim, o BTC é uma moeda de quantidade finita.

Além disso, no começo do desenvolvimento dos BTCs, era mais fácil gerá-los, assim como encontrar ouro na superfície de uma mina. Analogamente, quando o ouro da superfície acaba, é preciso adentrar na mina para encontrar mais e é também dessa forma na mineração de BTCs no Blockchain.

Em 2008, a cada bloco emitido, o minerador tinha como recompensa 50 BTC. Continuando na analogia, seria o mesmo que encontrar 50 pedaços de ouro em um grande bloco de pedra extraído da mina.

- Anúncios -

Entretanto, há uma mudança já pré-determinada no sistema de recompensas de mineração: A cada 210 mil blocos emitidos a quantidade de Bitcoin minerado será reduzida pela metade!

Esse processo é permanente e cada ciclo tem um período de aproximadamente 4 anos.

Essa redução na quantidade de Bitcoins minerados pela metade é chamada de Halving.

HALVING

Diretamente falando, a definição da palava inglesa halving é reduzir algo pela metade. Dessa forma, Halving do Bitcoin quer dizer que a recompensa em extrair Bitcoin será reduzida pela metade.

O primeiro Halving do Bitcoin foi em novembro 2012, quatro anos após 2008, quando foi atingido o número de 210 mil blocos extraídos. No primeiro Halving a recompensa na emissão de Bitcoins sofreu uma queda de 50 BTC para 25 BTC por bloco extraído.

Quando a cadeia de blocos atingiu a marca de 420 blocos extraídos, houve o segundo Halving em junho de 2016, em que a recompensa de Bitcoin por bloco extraído foi reduzida para 12,5 BTC.

Agora, no ano de 2020 estamos próximos de alcançar 630 mil blocos contabilizados. Portanto, etá para acontecer o terceiro Halving do Bitcoin. É provável que esse evento ocorra em maio e, dessa forma, teremos a redução de 12,5 para 6,25 na recompensa de BTC extraídos por bloco emitido.

Portanto, o processo de extração do Bitcoin continua o mesmo, o que mudará após o Halving será a recompensa por minerar BTC.

Na prática: o mesmo trabalho, mas com um menor retorno.

Deste modo, o Halving é um evento muito importante para os investidores e mineradores dessa criptomoeda.

QUAL É O ATUAL CENÁRIO DO BITCOIN?

Inegavelmente, o cenário do Bitcoin hoje é com certeza muito diferente dos eventos anteriores.

E há muito o que se falar sobre os efeitos dessa mudança, sabendo que 18 milhões de BTC (85% do total) já foram minerados até hoje.

Sem sombra de dúvidas, o mercado de utilização de criptomoedas está maior do que nunca. Hoje, muito mais pessoas e empresas utilizam o Bitcoin como forma de pagamentos. Portanto, há uma maior circulação dessa criptomoeda.

Eventualmente, isso é também em razão da redução da desconfiaça com moedas digitais. Resultado dos avanços tecnológicos, principalmente, em segurança digital, aumento de informações e diversos outros fatores.

Além disso, a infraestrutura de extração dos códigos para a emissão dos BTC está muito mais avançada do que já foi.

Atualmente, já existem diversas empresas fortemente constituídas capazes de emitir com êxito os blocos para a extração de BTCs. Essas empresas são fruto de processos de milhares de investidores que viram na criptomoeda possibilidades de gerarem capital.

Em outras palavras, investidores que acreditaram que a o Bitcoin se tornaria uma moeda efetiva.

O QUE PODERÁ ACONTECER COM O PREÇO DO BITCOIN?

Em primeiro lugar, é possível que ocorra um aumento do preço do BTC.

Histórico de cotação do Bitcoin x Halvings. Fonte: Reuters

Como é inevitável que a recompensa de Bitcoin irá cair pela metade, é possível que seu preço se valorize após o Halving, como aconteceu no passado.

Em segundo lugar, haverá um impacto na lucratividade em extrair Bitcoin. Isso, pois, o processo de extração continuará o mesmo, entratanto, a recompensa será menor. Em razão disso, haverá uma redução na recompensa em investir na mineração do BTC:

Para o investidor poderá ser menos compensatório o investimento em extração de Bitcoins. Afinal, o custo será mantido, entretanto, o lucro será reduzido. Não somente, pequenas empresas no negócio de extração poderão ter dificuldades em manter suas atividades.

Como consequência, a extração de BTCs poderá se concentrar em grandes empresas, capazes de suportar os impactos do Halving.

O FUTURO APÓS O HALVING

Não somente, ainda nem tivemos o terceiro Halving, mas já especulam os efeitos do quarto Halving (em 2024) que será quando o Blockchain atingir uma quantidade de 840 mil blocos, reduzindo o BTC minerado por bloco para 3,125.

Pensando no longo prazo, será de grande importância acompanhar os acontecimentos de maio de 2020 para melhor se preparar para o futuro.

Por fim, a previsão é de que os quase 21 milhões de BTC sejam alcançados e colocados em circulação em 2140, com exatamente 30 Halvings restantes. Ou seja, temos muito o que pensar pela frente ainda.

- Anúncios -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui